Total de visualizações de página

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

PRA QUEM NÃO SABE O QUE É MONTAR UMA REPETIDORA É MUITO BOM LER ESTA MATÉRIA DA CRAM.ORG.BR E VER A TRABALHEIRA PARA ACERTAR A REPETIDORA .

OPERAÇÃO SANTA RITA 
Publicado 05. jun, 2005 por PU2LAA como ArtigosRepetidoras
Por PU2LAA – Junior Zappia
Reconhecimento do terreno e remoção das repetidoras
Através de um primeiro contato com o PY2MEM – Marcus, acertamos que necessitávamos remover as repetidoras para Americana para uma manutenção completa. A Repetidora de UHF estava até que bem montada, mas com o Duplexador desajustado, o qual estava sendo utilizado apenas como filtro de entrada. A ventilação estava deficiente e as antenas em uma configuração errada. A fonte da repetidora era uma fonte bem “parruda” mas, segundo o Marcus, o fusível de entrada queimava constantemente.
Local da instalação da 438.200MHz. Repare as antenas de recepção e transmissão completamente encostadas.
No primeiro final-de-semana que estivemos em Santa Rita, removemos a repetidora de UHF do Marcus e aproveitamos para conhecer as instalações da repetidora de VHF no Morro do Itaiaia.
Para quem não conhece o Morro do Itatiaia, é um morro próximo à entrada de Santa Rita do Passa Quatro, na estrada que vai para Tambaú. Este morro tem cerca de 970m de altitude e uma maravilhosa abertura para todos os lados. Nele estão instaladas várias estações repetidoras de empresas e estações retransmissoras de TV, tais como a Rede Globo, Rede Record, SBT, Bandeirantes, TV Cultura, etc.
Há tembém no morro um Cristo Redentor muito bonito, que faz vistas para a cidade. Confira as fotos:
Imagem do Cristo Redentor no Morro do Itatiaia.
Bela vista desde a frente do Cristo.
Parte do emaranhado de torres e antenas do morro. Imagine a quantidade de RF circulando por lá.
Conhecemos as instalações da TV Bandeirantes e pudemos ver onde se encontrava a repetidora de VHF, sem manutenção há mais de 5 anos e ainda funcionando…… precariamente, mas funcionando.
Repetidora de VHF (147.360MHz) de Santa Rita do Passa Quatro, construída com um TM-241 como receptor, placa controladora RC700 e unidades excitadora e de potência de um Patrulheiro III.
Duplexador Sinclair de 4 cavidades e a fonte da Repetidora.
Agora o maior detalhe: Reparem na antena da Repetidora. Isso acontece quando alguns ténicos antenistas não respeitam o espaço dos outros:
A antena vertical da Repetidora está não só totalmente encostada, como torta, por causa da instalação de uma parábola sobre ela.
Durante algum tempo, vínhamos tentando contato com algum dos antigos mantenedores da repetidora de VHF e enfim conseguimos contato com o Chicão, que estava nos Estados Unidos. Chicão gentilmente doou a repetidora de VHF para o CRAM para que pudéssemos então dar a manutenção que ela tanto esperava.
No segundo final-de-semana que estivemos por Santa Rita, levamos todos os apetrechos e o pessoal necessário para remoção da repetidora e da antena, bem como avaliar a situação da “casinha” construída pelo Marcelo e Chicão, onde será o futuro local que abrigará as repetidoras de VHF e UHF de Santa Rita.
Albino, ZZ2MYE – Emílio e PU2LCD – Edson preparando-se para a retirada da antena da torre
Retirada da Antena da Repetidora realizada por PU2LCD – Edson e Albino
Casinha construída pelos antigos mantenedores.
Abelhas que estavam dificultando a abertura da porta da casinha.
PU2LWR – Mário tentando espantar as abelhas.
PU2LAA – Junior, com mais grama seca para a “fogueira das abelhas”.
ZZ2MYE – Emílio e PU2LWR – Mário na tentativa de espantar as abelhas – O Mário foi agraciado com várias picadas.
PU2LAA – Junior e ZZ2MYE – Emílio com o duplexador Sinclair de 4 cavidades sendo carregado para viagem.
Nosso grande Albino após a retirada da antena da torre.

Com o dever finalmente cumprido, a equipe que trabalhou para esta operação: PY2JF – João Roberto, Sr. Adão (mantenedor da TV Bandeirantes), PU2LBB – Zappia, PU2LAA – Junior, PU2LWR – Mário, PU2LCD – Edson e ZZ2MYE – Emílio. Faltou o Albino na Foto.
Neste artigo mostro como foi a reforma das repetidoras de VHF e de UHF que removemos de Santa Rita. Adianto que as repetidoras já estavam funcionando, o que fizemos foi apenas deixá-las no padrão das Repetidoras do CRAM, com gabinetes bem ventilados e em estilo “clean”, ou seja, com um visual limpo e funcionamento bem afinado.
Repetidora de UHF
A primeira Repetidora a ser reformada foi a de UHF (438.200MHz). Para tal, foi utilizado um gabinete de 400x400x250 e uma fonte modificada por PU2LAA – Junior, a qual utiliza uma modificação diferente das costumeiramente apresentadas na internet. Infelizmente não temos fotos do estado anterior da Repetidora (que por sinal estava muito bom), mas mostramos o estado atual:
Vista externa do novo gabinete da Repetidora de UHF
Vista interna do gabinete. O Transmissor é um M130 da Motorola, receptor Kenwood TM-441, Placa Controladora Elektra 2000 da Hamtronix e Fonte Modificada por PU2LAA – Junior. O duplexador é um ARS de UHF comercial ajustado para a faixa de radioamador.
Repetidora de VHF
A repetidora de VHF (147.360MHz) estava bem judiada por estar há 5 anos sem nenhum tipo de manutenção ou cuidados. Apesar de seus circuitos estarem funcionando, não cumpria bem seu papel, ainda mais por estar instalada em local tão alto e com ampla abertura.
Vista interna inferior do gabinete da repetidora de VHF, onde se vê o excitador de RF, o receptor Kenwood TM-241 e ao fundo o módulo de potência.
Vista interna e superior do gabinete, com a placa controladora.
O que será utilizado além do receptor: A etapa de potência, já separada do gabinete (num belo trabalho de ferramentaria do PU2LWR – Mário) e o excitador de RF. Eles faziam parte de um rádio Patrulheiro 3 da Motorola.
Após a reforma:
Vista interna do novo gabinete da 147.360MHz.
A etapa de potência recebeu uma capa metálica para evitar fuga exagerada de RF dentro do gabinete, o receptor foi recuperado e foi instalado um ventilador como exaustor, apenas para retirar o ar quente, pois o dissipador do P3 não exige ventilação forçada.
A placa controladora foi substituída por uma Elektra 2000 da Hamtronix, doada por PY2JF – João Roberto.


Esta parte não foi a mais fácil. Tivemos vários problemas. Primeiro foi o duplexador no momento do ajuste. O PY2JF – João Roberto, PU2VNC – Vinícius e eu fomos até a casa do PU2LWR – Mário, onde instalamos a antena em um mastro com o mesmo cabo que seria utilizado na repetidora, ou seja, tentamos reproduzir o mesmo ambiente que estaria montado em Santa Rita para que o ajuste fosse o mais próximo possível da realidade.
Isso porque quando você ajusta um duplexador com uma carga não-irradiante, você está ajustando-o com um circuito que reproduz fielmente os 50 Ohms, ou melhor, como se o circuito cabo-antena fosse o ideal. Mas o que acontece na realidade é que geralmente este circuito apresenta impedâncias muito diferentes disso. Como não dispomos de aparelhos que meçam impedâncias, temos que tentar “casar” o melhor possível todo o circuito rádio-duplexador-antena através do ajuste do duplexador.
Na primeira tentativa encontramos alguma dificuldade porque algumas cavidades do duplexador não estavam respondendo corretamente. Havia muitos mau-contatos e interferências. Ficamos por horas tentando ajustá-lo e no final não conseguimos um bom ajuste, mas deixamos o melhor possível.
No dia seguinte, o PU2LWR – Mário, PU2LCD – Edson e o Albino botaram o pé na estrada e se dirigiram para Santa Rita do Passa Quatro. Antes fizeram uma parada em Mogi-Guaçú para fazer uma visita ao PU2VTI – Vitinho.
Parada para um cafezinho.
PU2LCD – Edson e PU2VTI – Vitinho
Depois de um cafezinho, carregar uma repetidora, uma antena e um duplexador na Kombi, o pessoal partiu para Santa Rita. Chegando lá, encontraram-se com PU2OJB – Bordin e com o Sr. Adão (mantenedor da TV Bandeirantes), ambos de Santa Rita do Passa Quatro para a instalação da Repetidora.
A repetidora de UHF foi entregue ao PY2MEM – Marcus, de Pirassununga, para que fosse instalada novamente no antigo local, uma chácara próxima ao Morro do Itatiaia. Segundo o Marcus, a repetidora está funcionando muito bem e com um alcançe razoável. Futuramente estaremos instalando-a no Morro do Itatiaia junto com a Repetidora de VHF.
Foi decidido que iríamos instalar a repetidora de VHF no mesmo local onde ela estava anteriormente (TV Bandeirantes) porque ainda não conseguimos nenhuma definição sobre a casinha (das abelhas). Agora estamos tratando com a prefeitura de Santa Rita para que nos construa uma casinha atrás do terreno da TV Bandeirantes para colocarmos nossos equipamentos.
PU2OJB – Bordin, Sr. Adão, PU2LCD – Edson e PU2LWR – Mário
A instalação da antena na torre foi executada pelo PU2LCD – Edson e pelo Albino. Tudo transcorreu como deveria. Enquanto isso o PU2LWR – Mário instalava o duplexador e a repetidora dentro das instalações da TV Bandeirantes. Aproveitamos para agradecer ao Sr. Adão a gentileza de nos ceder novamente o espaço da TV Bandeirantes para que a repetidora continue no ar até resolvermos o problema de nossas instalações.
Albino, PU2LCD – Edson e PU2LWR – Mário preparando-se para subir na torre.
Antena vertical já instalada na torre
Como a Lei de Murphy impera soberana com os mantenedores, não poderíamos sair de Santa Rita sem um probleminha. Ao ligar a repetidora, um ronco muito forte estava sendo transmitido junto com o áudio. A princípio imaginamos que poderia ser alguma interferência dentro das instalações da TV Bandeirantes, porque a circulação de RF lá é muito grande. Infelizmente não havia muito o que se fazer na hora, pois o pessoal que lá estava não levou consigo equipamentos de backup e de testes. O jeito foi deixar assim até que em uma próxima oportunidade retornemos à Santa Rita para corrigir o problema.
Repetidora e Duplexador instalados no local

Por PY2JF – João Roberto S. G. Ferreira
No sábado dia 28/07/2007, eu e o PU2OJB – Bordin fomos até o Morro do Itatiaia para tentar solucionar o problema do ronco na transmissão e ajustar o duplexador da repetidora de Santa Rita. Aparentemente o problema era na fonte de alimentação, mas como o receptor também apresentava um áudio saturado, instalei os antigos equipamentos da 145.230MHz de Americana no lugar dela. Ficará lá temporariamente até que ela seja consertada.
Resolvemos também mudar a frequência de operação, pois no Japi tem outra repetidora na mesma frequência e, em certas áreas, pode-se acionar as duas ao mesmo tempo. Agora Santa Rita está em fase de testes em 147.310MHzcom subtom 74.4Hz e offset de +600.
Tentei ajustar o duplexador, um Sinclair de quatro cavidades originalmente da frequência de 151Mhz, mas não tive muito sucesso. Por algum motivo, aparentemente mal contato nos cabos, apenas uma das cavidades apresentava resultado satisfatório. Para não tirar a repetidora do ar até o problema do duplexador ser resolvido, deixei o transmissor com apenas 10W, evitando assim que a desensibilização ficasse muito forte. Mas ainda assim, um sinal S5 que chega limpo na entrada, quando o repetidora entra no ar, fica com ruído. Não está perfeito, mas dá pra ir usando.
Outro problema que deve estar contribuindo para piorar as coisas é que a antena instalada, uma Triex de 3×5/8, está com jogo na ponta e, conforme o vento a balança, ruídos são ouvidos na transmissão e recepção.
Na volta para Americana, vim pela Anhanguera e consegui acioná-la do Km 241 (Santa Rita) até o Km 153 (pedágio de Limeira). Consegui passar áudio até pouco depois de Pirassununga, mas de lá pra frente eu só conseguia acioná-la, nada de poder falar. Fiquei surpreso com a cobertura, pois eu estava com um HT ICOM IC-91AD de 5W com a antena de borracha. Se eu estivesse com um rádio móvel e antena externa, com certeza teria falado por quase todo o trajeto.
De volta em Americana, após trocar idéias com o PU2LWR – Mario e o PU2LAA – Junior, resolvemos que os próximos passos para a repetidora de Santa Rita serão:
1) Substituir a antena atual por uma colinear de quatro dipolos apontados ao longo da rodovia Anhanguera (sul).
2) Substituir o duplexador por um com melhor rendimento.
Estamos tentando agendar essas mudanças para o final de semana de 11/08/2007. Se não tivermos mais nenhum imprevisto, acreditamos que a PY2KSR vai servir a todos que estiverem viajando pela Anhanguera de Ribeirão Preto até Americana. A segunda fase do projeto consiste em fazer um link com a PY2KJF de Americana (UHF), que cobre desde o Km 30 da Rodovia dos Bandeirantes até mais ou menos Araras. Com isso teremos um sistema de repetidoras que dará cobertura completa para quem viaja de São Paulo à Ribeirão Preto e vice-versa.

PY2JF acionando a 439.550MHz de Americana com um HT

PU2OJB – Bordin fazendo QSO na repetidora de Santa Rita

PU2OJB – Bordin, PY2JF – João Roberto e o Adão
Não foi possível fazermos mais fotos, pois embora a temperatura estivesse por volta de 10 graus, a sensação térmica era de uns 4 com tanto vento. Em breve continuaremos com os detalhes das próximas fases.

Por PY2JF – João Roberto S. G. Ferreira
No sábado, 25/08/2007, fomos novamente para Santa Rita para tentar concluir a instalação da repetidora PY2KSR. Desta vez progredimos bastante. Os equipamentos são os mesmos, mas a velha antena Triex foi substituída por uma colinear ARS de quatro elementos, muito mais recomendada para operação em repetidoras. A anterior apresentava ruídos conforme batia o vento. E como naquele morro o que mais tem é vento, o ruído era presente o tempo todo. O Albino, O PU2OJB – Bordin e o PU2VTI – Vitinho foram os corajosos que subiram na torre para instalação da nova antena.
Outra melhora foi no duplexador Sinclair de quatro cavidades, que não gostava muito da velha Triex e funcionou muito melhor com a ARS. O PY2BBS – Luciano, com seu wattimetro mágico, deu uma palitada final no duplexador e tudo ficou perfeito.
Outra mudança foi na frequência. Sim, mudamos novamente! O Vitinho tinha a licença da antiga 146.770MHz do GREEN de Campinas que não estava mais ativa. Como essa frequência é pouco utilizada na região, optamos por ela para uma convivência mais tranquilha no espectro. O subtom continua o 74.4Hz.
A única coisa que não nos agradou foi que percebemos um alto ruído de radio frequência no recepetor da repetidora. Esse ruído chega a S6! Isso não é bom. Testamos um filtro DCI de VHF mas não adiantou nada. Experimentamos mudar a antena de recepção para o rádio da transmissão, um Yaesu FT-2500M, e o ruído desapareceu por completo. Pelo jeito o Kenwood TM-241A é muito orelhudo. Na próxima visita experimentaremos mudar o receptor por algo com melhores resultados.
Fizemos o teste de cortar a transmissão para ver se havia desensibilização e tudo estava ótimo. Qualquer sinal fraco conseguirá manter a repetidora no ar.
Depois de tudo instalado, só restava procurar pelos radioamadores da região para ver o resultado. Eis aqui a lista das cidades que contactamos e sua distância em linha reta (calculado pelo Google Earth):
Cidade
Distância
Pirassununga
36Km
São Carlos
61Km
Aguaí
62Km
São João Boa Vista
73Km
Araraquara
79Km
Estiva Gerbi
82Km
Mococa
91Km
Mogi Guaçu
91Km
Laranjal Paulista
92Km
Guariba
92Km
Migi-Mirim
97Km
Limeira
103Km
Santa Barbara D’Oste
118Km
Americana
119Km
Serra Negra
126Km
Campinas
142Km
Capivarí
147Km
Porto Feliz
170Km
Botucatú
170Km
São Paulo
225Km
Como desconfiávamos desde o princípio, o morro de Itatiaia proporciona uma excelente cobertura, principalmente ao longo da rodovia Anhanguera entre os trechos de Limeira e Ribeirão Preto. Na volta para Americana, o PU2TTY – Celso conseguiu falar com áudio limpo e claro de HT num posto de gasolina em Leme. Eu voltei mais tarde, sai de lá as 23h, e obtive final de escala de sinal de Santa Rita até o pedágio de Limeira. O único ponto cego do trajeto foi de mais ou menos uns 3km ao chegar em Araras que existe uma depressão muito grande. O resto foi excepcional. O equipamento que utilizei no carro foi um ID-800H (50W) e uma antena dual da Nagoya modelo NL-77B que deve ter uns 35cm de comprimento.
Como não podia deixar de acontecer, depois que saimos do morro percebemos que o desvio de transmissão do Yaesu estava muito alto. Quando o sinal na entrada da repetidora tem um áudio muito forte, o sinal de transmissão chega a cair um pouco. Nos piores casos ocorrem cortes na transmissão. O jeito, pelo menos até podermos voltar lá, é falar um pouco mais longe do microfone.
Se você mora na região, não deixe de acionar a 146.770MHz (74.4Hz) e depois nos conte como ela está se comportando.
Veja abaixo mais algumas fotos dessa nova aventura:
PU2VTI – Vitinho e PY2BBS – Luciano
PU2TTY – Celso e Albino
PU2LWR – Mario e PU2VTI – Vitinho
E por último a turma toda que estava no morro: Adão, PU2LWR – Mário,
PU2OJB – Bordin, Albino, PY2BBS – Luciano, PY2JF – João Roberto,
PU2TTY – Celso e PU2VTI – Vitinho
Agradecemos a todos os radioamadores que nos ajudaram com reportagens do sinal, em especial ao PU2LAA – Junior, que fez as montagens dos equipamentos da repetidora, mas que desta vez ficou no apoio à distância.



3 comentários:

Anônimo disse...

Olá amigos radioamadores, gostaria que alguém me tirasse uma dúvida, tenho a pretenção de instalar uma repetidora em minha região,a topografia é montanhosa, seria melhor qual freq. para operação, VHF ou UHF. grato! PU7TRB - ROGERIO

RADIOAMADOR E SÃO GABRIEL NA HISTÓRIA disse...

VOU RESPONDER SUA PERGUNTA . QUANTO MAIS ALTO MELHOR ,E SOBRE A FREQUÊNCIA TEM ESPECIFICA PARA REPETIDORA NO ESPECTRO DA FAIXA DE RADIOAMADOR EM VHF

Paroquia De São Sebastião De Rodeiro - MG disse...

bom dia tenho a intenção de fazer a retransmissão do sinal da tv evangelizar em minha cidade, estava pensando em usar o sinal digitar de um recepitor de tv e retransmitir com um transmissor de tv onde eu posso escolher a faixa entre 14-69, mas nao quero problemas com os orgãos reguladores o que devo fazer